Medo! Medo é uma palavra que te trava em tantos sentidos. Tive medo de não conseguir concluir a trilha. Medo da minha capacidade física não ser suficiente. Medo que me impediu de até comentar com o Vini que a Janela do Céu era um lugar que eu sonhava em conhecer.

Mas ali estávamos, em Ibitipoca, Minas Gerais, e o trabalho na Janela do Céu para o “Trilhando o Brasil” tinha que sair. Seria um dia bem puxado, afinal, o circuito da Janela do Céu são de 16 quilômetros. Nada técnico. A trilha é considerada fácil. Haveria sim, muita caminhada, subidas e descidas não tão íngremes, mas que exigiria bastante do nosso físico.

Se você pensa em fazer o circuito Janela do Céu no Parque Estadual do Ibitipoca, aqui está nosso relato e nossas dicas. Espero encorajar alguns que estão com medo a curtir esse passeio maravilhoso.

Circuito Janela do Céu: o que levar?

Primeiramente, tenha em mente que você irá caminhar bastante. Principalmente na volta você enfrentará muitas descidas. Isso pode propor dores nos joelhos e nos dedos dos pés. Portanto, o calçado adequado é essencial e a amarração do cadarço para o pé não escorregar para frente também.

Clique aqui e assista nosso vídeo de como amarrar suas botas de trilha

 

Além do calçado adequado também recomendamos roupas leves e de secagem rápida. Eu, Débora, estava usando camisa de manga longa com proteção solar e o Vini de manga curta Techfresh 50 sem proteção solar. Ambos estávamos usando calças moduláveis trilha da linha Forclaz 100 da Quechua. Tudo que usamos você encontra nas lojas Decathlon por um preço bem acessível.

O que levar para o Circuito Janela do Céu
O que levar para o Circuito Janela do Céu

Sabendo desses itens super importantes, vamos aos demais itens da lista:

  • Capa de chuva (há muitos relatos de mudanças repentinas de tempo – sempre verifique as condições climáticas e evite o local quando há previsão de chuvas fortes). Como é sabido, chuvas e cachoeiras não combinam. Trombas d’águas são muito perigosas;
  • Lanternas (levamos uma de cabeça e outra de mão – tem grutas que só é possível explorar com lanternas);
  • Protetor solar;
  • Repelente;
  • Toalha (de preferência àquelas de secagem rápida e super absorvente);
  • Sacolinha para lixo e para roupas molhadas;
  • Meia extra para entrar na cachoeira ou papete;
  • Água, pelo menos 1,5L por pessoa;
  • Lanches leves e energético (caso sinta necessário);
  • Roupa de banho;
  • Chinelo para depois da caminhada.
Vindo do Rio de Janeiro e prefere fazer o Circuito Janela do Céu em uma excursão? Recomendamos nossos parceiros da Desbravando Rio que tem preços excelentes, guias credenciados e seguro acidente.

Circuito Janela do Céu: Pontos de interesse

Engana-se quem pensa que só tem a Janela do Céu para visitar nesse circuito. São vários os pontos de visitação que você não pode perder no Circuito Janela do Céu. Vamos relatando abaixo conforme o trajeto que seguimos:

Cruzeiro

Iniciando o Circuito Janela do Céu você irá encarar uma subida constante de aproximadamente 2400 metros. Essa subida não é tão íngreme mas exige fôlego. Mas não desanime, faça com tranqüilidade e no seu ritmo. Aproveite para olhar para trás de tempo em tempo e aprecie o visual das montanhas que aos poucos vai se formando no horizonte.

Subida pra o Cruzeiro no Circuito Janela do Céu
Vista das montanhas antes da chegada no Cruzeiro

Esse primeiro ponto de interesse no Circuito Janela do Céu é uma Cruz em uma área plana. A vista desde o Cruzeiro é incrível e merece uma paradinha para descansar tirar fotos.

Cruzeiro no Circuito Janela do Céu
Cruzeiro no Circuito Janela do Céu

Gruta do Cruzeiro

Essa infelizmente não visitamos mas fica a apenas 90 metros do Cruzeiro. A Gruta do Cruzeiro é uma das grutas mais bonitas do Circuito Janela do Céu. Então se você começou a trilha cedo, sugerimos uma passadinha por lá. Nós iniciamos a trilha às 10:00h mas o ideal seria começar assim que o Parque Estadual do Ibitipoca abrir, às 7:00 horas, para aproveitar muito bem cada cantinho do Circuito.

Pedra da Lombada

Também conhecida como Pico do Ibitipoca, a Pedra da Lombada é o ponto mais alto do Parque Estadual do Ibitipoca, com seus impotentes 1784 metros de altitude.

Saindo do Cruzeiro, caminhe em subida por aproximadamente 1590 metros até uma planície e a Pedra da Lombada estará ao fundo, com uma vista linda do Parque Estadual do Ibitipoca.

Pedra da Lombada Circuito Janela do Céu
Pedra da Lombada Circuito Janela do Céu

As subidas nesse ponto do Circuito Janela do Céu praticamente acabaram, mas na minha opinião as descidas judiam mais.

Gruta dos Moreiras

Caminhando mais um pouco após a Pedra da Lombada, aproximadamente 1400 metros em descida, você chegará a uma bifurcação com três destinos: Grutas dos Moreiras, Gruta dos Fugitivos e Gruta dos Três Arcos.

Visitamos primeiro a Gruta dos Moreiras e com lanternas em mãos exploramos um pouco. A gruta é gigante, com uma grande abertura como entrada, mas a luz não entra muito. Por isso é importante só visitar se estiver com lanternas disponíveis.

Gruta dos Moreiras no Circuito Janela do Céu
Gruta dos Moreiras no Circuito Janela do Céu

Gruta dos Fugitivos

A Gruta dos Fugitivos tem esse nome pois foram encontrados vestígios característicos de um local de refúgio dos escravos. Também é um local a ser explorado com lanternas pois é bem escuro e escorregadio. Então, cuidado redobrado onde você pisa, pois o local é úmido.

Gruta dos Fugitivos no Circuito Janela do Céu
Gruta dos Fugitivos no Circuito Janela do Céu

Gruta dos Três Arcos

A Gruta dos Três Arcos na minha opinião é a mais linda do Circuito Janela do Céu. Ela tem esse nome pois possui três entradas em formato de arcos. Não é necessário lanterna para explorar essa Gruta, pois a entrada de luz dos três arcos deixa o ambiente bem iluminado.

Gruta dos três arcos no Circuito Janela do Céu
Gruta dos três arcos no Circuito Janela do Céu

Janela do Céu

Após as visitas às grutas, o próximo trecho do circuito é direto até a Janela do Céu. São aproximadamente 1600 metros até lá em descida, primeiramente em terra e depois em piso rochoso.

Placas Circuito Janela do Céu

A próxima bifurcação na trilha será para a Janela do Céu ou Cachoeirinha. Escolhemos visitar a Janela do Céu primeiro. Então em mais 393 metros chegamos ao nosso destino principal.

Escadas de madeira para Janela do Céu

Descemos a escada de madeira e ficamos apreciando o local desde a parte de cima em um deck. Aproveitamos aquele espaço para retirar as roupas da trilha e ficar só de traje de banho. Calçamos as meias para evitar escorregar na cachoeira e fomos encarar a água fria.

 

Sabe àquela famosa foto que parece que você irá cair da cachoeira? Ou que você faz parte de um “quadro”? Então, tomamos todo o cuidado para analisar o local e encontrar um lugar seguro para tais fotos.

Se você já foi no local sabe que é possível tirar fotos com essa ilusão de ótica em um lugar seguro e não tão próximo da queda. Se é sua primeira vez, você irá notar que há várias partes no poço que são um pouco mais fundas. Outro detalhe é que a mais ou menos um metro de distância da queda tem um degrau. Após esse degrau há um pequeno declive, por isso não recomendamos ultrapassá-lo.

Janela do Céu
Janela do Céu

Aproveitamos para fazer um breve lanche e partir para o próximo destino, mas perdemos um pouco a noção do tempo.

Cachoeirinha

Tínhamos em mente que precisávamos sair da Cachoeirinha até às 15:00 horas. Afinal, seriam aproximadamente mais 8 quilômetros de trilha até o estacionamento. Calculamos 3 horas para o retorno pois tínhamos certeza que estaríamos cansados e o ritmo seria mais lento.

Quando chegamos ao local de descida para a Cachoeirinha já passava às 15:00 horas. Para chegar até a cachoeira você desce um paredão de mais ou menos 150 metros como se fosse em escada. Foi uma pena, mas decidimos não seguir até a Cachoeirinha, pois temíamos não ter tempo para aproveitá-la e ficar ainda mais cansados para voltar.

Cachoeirinha vista de cima no Circuito Janela do Céu
Cachoeirinha vista de cima no Circuito Janela do Céu

Por isso aconselhamos novamente, cheguem cedo ao Parque. Por ter começado a trilha tarde deixamos de conhecer dois atrativos. Um deles, a Cachoeirinha, dizem que é até mais linda do que a Janela do Céu.

A volta do Circuito Janela do Céu

O retorno do Circuito Janela do Céu foi bem cansativo. Logo após a Cachoeirinha você irá percorrer uma subida bem íngreme. Os últimos 6 quilômetros da trilha são divididos em: alguns trechos retos, muitas descidas e algumas subidas.

Sabe aquele ditado “pra baixo todo Santo ajuda”? Bom, gosto de dizer que o Santo se esqueceu de mim. Meus joelhos gritavam e a ajuda que eu rogava era uma subida para dar uma trégua às dores, mas foram poucas.

O bom do retorno é que as vistas no Circuito são lindas. Então mesmo cansados conseguimos aproveitar muito o percurso. A conquista e a gratidão é imensa.

Retorno do Circuito Janela do Céu
Vista do caminho de volta do Circuito da Janela do Céu

Prainha

O último atrativo para nós foi a Prainha. O destino leva esse nome pois possui uma margem pequena de areia, que assemelha-se à uma praia. Por ser pequena, carinhosamente é chamada de Prainha.

Atravessamos a Prainha por uma ponte e subimos o último trecho de rocha (com corrimão) até o estacionamento. Lembrando que esse foi o nosso último atrativo, mas vindo do estacionamento você pode fazer o caminho inverso e visitar somente a Prainha, por exemplo. É um lugar ideal para crianças pois não caminha muito para chegar até lá e a água na parte da “praia” é rasa e sem muita correnteza.

Resumão do Circuito Janela do Céu

  • Nível de dificuldade: #PAtrilhamoderada (Já conhece nossas classificações? Fique familiarizado clicando aqui). Observação: tecnicamente essa é uma trilha leve, pois não possui nenhum obstáculo ou trecho de escalaminhada. Mas como é longa e exige certo condicionamento físico, achamos por bem alertar que não é tão fácil assim.;
  • Duração da trilha: 6 á 8 horas ida e volta;
  • Obstáculos: trechos de terreno irregular de rocha, trechos íngremes mas que não exigem auxílio das mãos e muitos trechos com exposição ao sol. Não há nenhum obstáculo técnico.;
  • Terreno: Ligeiramente irregular de rochas ou terra;
  • Como chegar: de ônibus/carro você deve ir até a Portaria do Parque Estadual do Ibitipoca.  – Google Maps
  • Preços:
    • Visita dias úteis: R$ 15,00 por pessoa
    • Visita nos finais de semana e feriados: R$ 25,00 por pessoa
    • Estacionamento: R$ 25,00 por carro todos os dias que o parque está aberto (vagas limitadas). Motos pagam R$ 20,00.
  • Horário de funcionamento:
    • Segunda-feira: fechado com excessão de feriados e recessos. Caso isso aconteça o fechamento semanal do parque ficará postergado para o primeiro dia útil.
    • Demais dias: 7:00 horas às 18:00 horas.
  • Restaurante no local: se seu passo for bom e conseguir terminar a trilha até as 16:00 horas, o Parque tem um restaurante que serve comidas a la carte e self service sem balança no precinho.
  • Para mais informações acesse o Site do Parque AQUI

Circuito Janela do Céu: o mais bonito no Parque Estadual do Ibitipoca

Foi uma trilha bem cansativa por sua extensão, mas foi uma das mais belas que já fizemos. Todos os atrativos do Circuito Janela do Céu o torna o mais bonito do Parque Estadual de Ibitipoca. Se você passar por Conceição de Ibitipoca não deixe de reservar um tempo para conhecer o parque e pelo menos fazer esse circuito.

Até a próxima aventura!

Planeje sua próxima aventura com a gente!

Quando você adquire, compra, reserva ou aluga através de um dos links abaixo ou nos links do texto, você está nos ajudando a manter nosso trabalho sem pagar nada a mais por isso! Nós agradecemos o seu apoio e ficamos a disposição para ajudar você a programar sua próxima aventura.

DEIXE UMA RESPOSTA

Escreva seu comentário aqui
Seu nome aqui

* Checkbox GDPR is required / Regulamento Geral de Proteção de Dados do Usuário

*

Eu aceito/ I agree